Por Fernando Abelha

Recebemos de Adauto Alves, presidente da Associação Mutua Auxiliadora dos Empregados da Estrada de Ferro Leopoldina, e-mail que reproduzimos abaixo, também encaminhado a todos os membros do chamado Grupo de Trabalho da Comissão Paritária, que age junto ao Ministério da Infraestrutura, no sentido de fazer cumprir o pagamento das perdas salarias da categoria, em torno de 34%, reconhecidas em 2014, pelos membros da Comissão Paritária, através de relatório assinado pela diretoria da VALEV e  pelos representantes da FNTF.

Entre outros, fazem parte do Grupo de Trabalho: Hélio Regato – FNTF; Etevaldo Pereira dos Santos – FENAFAP; Nelson Cruz – AARFFSA; Izabel Cristina – AENFER; Fernando Abelha- REFER, Manoel Geraldo – REFER;; Marcos Cruz – AARFFSA; Clarice Aquino Soraggi – FAEF; Celso Paulo – AEEFFL; Odevar Santos – Mutua; Alexandre Julio Lopes de Almeida – AENFER; Sonia Viana – AENFER; Hélio Suelvo – AENFER; Maria das Flores de Jesus Ferreira – AENFER; Geraldo Sobrinho – Mutua; Almir Gaspar – AEEFL.

Eis a íntegra do e-mail:

“Prezados Companheiros Ferroviários: Após os frustrantes Acordos/Dissídios Coletivos 2017/2018 e 2018/2019, dois anos sem aumento, em que a VALEC impôs índices ridículos abaixo da inflação, sem direito a quaisquer atrasados durante estes anos, um verdadeiro massacre a classe ferroviária, até então 52.0000 aposentados e pensionistas, cuja média salarial é de RS 1.300,00 reais, a tabela da RFFSA do 201 a 211 não atinge o Salário Mínimo atual, vem causando um grande desalento.

Já sofremos até problemas familiares em sua maioria, sem condições de subsistência. Nossa última esperança se voltou para a Comissão Paritária que se encontrava arquivada na Secretaria Executiva do atual Ministério da Infraestrutura, antigo Transportes, há mais de 05 anos, que em um trabalho em conjunto com a FNTF, FENAFAP e MÚTUA, conseguimos desarquivá-la e nos deixou esperançosos, tanto que voltou a tramitar dentro do Ministério 45 vezes.

Não podemos nos esquecer dos pioneiros que estiveram conosco na ocasião: Franklin RGS ,Itamar e Saulo PR, Lino PB  João Gomes e Paulo Mota SP. Mais uma vez, a Valec atravessou em nosso caminho ,já que o Ministério que nos acolheu tão bem, necessitava da informações desta estatal para nos dar uma solução, processo Administrativo 00063.000938/2011-11, que ali deu entrada em 14/02/2019, tramitou por 115 vezes de uma Unidade para outra, postergando apesar da insistência da Infraestrutura, através de cobrança do Etevaldo, paralisado ainda ali sem resposta até 30/08/2019, e teve sua movimentação agora dia 05/11/2019, para o COASSIN, não sabemos por influência de quem.

Não querendo fazer juízo de valor logo após o General Presidente da VALEC pediu demissão. Agora Pasmem Senhores !!! Os interessados neste processo: Presidente da República- Diretoria de Gestão Interna do Gabinete Pessoal do Presidente!!!, através de um ofício encaminhado em fevereiro pelo Presidente da FENAFAP Sr. Etevaldo, solicitando ajuda a classe ferroviária, e este órgãos executivos determinaram que fosse criado este processo. Vejam a ousadia deste lixo VALEC que vem nos prejudicando a anos nos Dissídios Coletivos, desafiando o Governo e a quem infelizmente por força de Lei estamos atrelados. Felizmente, não temos que depender desta excrecência, mas sim do Ministério da Infraestrutura. Criamos uma Comissão Especial composta pela FNTF- Ministro Helio Regato, FENAFAP – presidente Etevaldo que é o responsável pelos contatos no Ministério, Associação dos Aposentados Nelson Cruz, AENFER Isabel, FAEF Clarice, Engenheiros Leopoldina Celso Paulo, REFER Prof. Abelha, MÚTUA toda Diretoria, Secretário Marcos Cruz, todos unidos e empenhados, pois têm consciência que esta é nossa última cartada. Repito que este é totalmente diferenciado do Acordo ou Dissídio, trata-se de recuperação de perdas Salariais, reconhecidas até pelo Ministério dos Transportes na ocasião. A pergunta que se faz: Como pagar? Nossa aliada AENFER desenvolveu um trabalho técnico e sério a respeito, em que o Governo pode fazer esta reposição, sem que este onere o orçamento. Sendo convocados, o que esperamos para breve, será apresentado ao Ministro. Não estamos criando ufanismo, falsas expectativas ou fazendo promessas vãs, não é nosso objetivo, sim contar com a confiança de todos que possam nos ajudar nesta empreitada, que representa a sobrevivência e esperança de toda classe ferroviária. O importante é ter FÉ e ACREDITAR!!!!  Rio/ 15/11/2019- ADAUTO”