Pesquisa e edição por Luis Fernando Salles

Dentre diversas associações preservacionistas no Estado de São Paulo em destaque, como as regionais da ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária), Movimento de Preservação Ferroviária Sorocabana e Instituto de Ferrovias e Preservação do Patrimônio Cultural (que preserva a Estrada de Ferro Perus-Pirapora), executam o trabalho de resgate, preservação, conservação, restauração e também, a operação de trens históricos com fins turísticos em diversos trechos, como:

Campinas – Jaguariúna (ABPF Campinas)

Trem dos Operários (Preservação Ferroviária Sorocabana)

Serra da Mantiqueira (ABPF Sul de Minas)

Estrada de Ferro Perus-Pirapora (IFPPC)

Trem dos Imigrantes (ABPF São Paulo)

O trabalho das associações tem sido de extrema importância para a história da memória ferroviária brasileira e inclusive, do Estado de São Paulo.

Representando uma malha ferroviária que no passado possuía uma abrangência nacional (excetuando regiões da Amazônia, embora a Madeira-Mamoré lá esteve presente e faz parte da história regional, o modal ferroviário foi reduzido a uma malha predominantemente localizada no litoral e poucas linhas que adentram alguns estados da Federação, limitando-se ao transporte de cargas unitárias à serviço das concessionárias e alguns serviços de trens turísticos.

Diante desse cenário, a atuação das Associações de preservação ferroviária torna-se importante por demonstrar que o resgate do trem representa a história ferroviária e trata com saudosismo algo que em tese, deveria ser o presente e o futuro dos transportes no país. Com elas, mais focadas no turismo, faz girar diversos comércios locais e que ajudam a propagar a cultura e costumes de onde atravessam.

Recentemente os trâmites de uma importante locomotiva diesel-elétrica, que foi adquirida na década de 90 pela Cutrale-Quintella, foi mantida pela Fepasa, Ferroban, ALL e finalmente a Rumo, quando foi desativada e devolvida aos seus proprietários.

Nesse final de semana, o transporte dela se iniciou a partir do interior de São Paulo, em Rio Claro, para um dos pátios da Rumo Logística (operadora da malha ferroviária da região), em Araraquara pelos trilhos, onde será segundo a ABPF Sul de Minas, “recuperada e colocada em ordem de marcha. ” Projetos estão sendo elaborados em parcerias para utilização, na formação de trens turísticos.

Fontes: Internet, Via Trolebus