Pesquisa e edição por Luis Fernando Salles

Lançada há mais de dez anos, a Ferrovia Transnordestina pode ser entregue às mãos de grupos estrangeiros para poder sair do papel e enfim ligar o sertão ao litoral do Nordeste. E já há interessados no projeto. Em nota, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão revelou que o governo e algumas empresas italianas demonstraram interesse em ser sócios do governo brasileiro no plano de conclusão da ferrovia.

A parceria foi cogitada durante uma missão realizada pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, na Itália. Na ocasião, ele buscou parcerias privadas para 89 projetos e acabou avançando na discussão sobre a Transnordestina. Segundo a pasta, Oliveira disse aos investidores italianos que o Brasil precisa de parceiros para finalizar esse projeto, que é “interessante e viável porque movimentará soja e minérios para alguns portos”, mas precisa de mais recursos de parceiros privados para ser concluído.

Diante disso, a Ferrovia del Estato, do governo italiano, teria demonstrado interesse no projeto, que vai ligar o município piauiense de Eliseu Martins aos portos de Suape, em pernambuco, e Pecém, no Ceará, passando por 81 municípios. A sociedade de financiamentos Sace também teria relevado a vontade de participar de projetos de infraestrutura no Brasil. O Ministério do Planejamento disse, no entanto, que ainda não sabe como essas parcerias poderiam ser desenhadas. “Em abril, foi composto um grupo de trabalho para avaliar o status da obra. O relatório do grupo sobre o empreendimento será divulgado em breve. A partir destes apontamentos, o Governo irá traçar as ações”, explicou a pasta em nota.

Hoje a Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A., empresa pública formada por uma sociedade de ações e vinculada ao Ministério dos Transportes, é a responsável pela construção. As obras, no entanto, estão paradas porque o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu o repasse de recursos devido a indícios de irregularidades no projeto. Segundo o TCU, só depois de esclarecidas essas suspeitas será liberada a verba necessária para a conclusão da Transnordestina. Estima-se que, mesmo depois de dez anos de obra, só tem 600 dos 1.753 quilômetros da ferrovia estejam prontos. Por isso, o orçamento do projeto saltou de R$ 4,5 bilhões para R$ 11,2 bilhões.

Fontes: Folha de Pernambuco, Revista Ferroviária