Por Fernando Abelha

Continuamos aguardando informações dos sindicatos da base da Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários – FNTF, sobre as assinaturas e homologações dos Acordos Coletivos – ACs de 2015 e de 2016, pelo Tribunal Superior do Trabalho – TST.

Como divulgado anteriormente por este blog, no AC de 2015, além das cláusulas sociais em benefício dos ferroviários em atividade, será aplicado um reajuste dos atuais salários em 5% para ativos, aposentados e pensionistas, a partir de 1º de maio de 2015, portanto, com os atrasados correspondentes ao período, isto é, até a data em que o reajuste entrar em folha de pagamento.

Da mesma forma, pelo AC de 2016, mediado, também, pelo TST, foi concedido um reajustamento de 6.4% a partir de 1º de maio de 2016, incidindo sobre os valores reajustados em 2015.

Assim, mesmo inferiores aos índices inflacionários, a classe anseia por uma solução, de vez que há mais de dois anos têm seus salários congelados. Resta, agora, a unidade de todos: Federações, sindicatos, associações de classe e parlamentares eleitos com votos dos ferroviários, para se formar uma frente junto ao Parlamento, a fim de obter apoio político contíguo aos Ministérios dos Transportes, Planejamento e Fazenda, para que nos seja concedida a recuperação salarial dos últimos anos, em torno de 34.6 %, perda esta reconhecida e atestada pela Comissão Paritária, constituída no decorrer de 2015, por proposição da Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários – FNTF e que contou com representantes da VALEC – Engenharia e dos sindicato filiados a FNTF.