Por Fernando Abelha

Em contato mantido, ontem, com dirigente sindical no Rio de Janeiro, obtivemos a informação de que, até o momento, o Tribunal Superior do Trabalho – TST não agendou a data para atuar como mediador no Dissídio Coletivo dos ferroviários, referente à data base de 1º de maio de 2018, impetrado à nível nacional, pela Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários – FNTF. Da mesma forma a VALEC – Engenharia permanece se omitindo quanto ao Acordo Coletivo do Trabalho,  que já lhe fora encaminhado pela FNTF em março deste ano, relacionado à mesma data base de 2019.

Enquanto isso, os ferroviários estão há dois anos sem qualquer reajustamento em seus salários, com perdas de mais de 5% em seus vencimentos, além dos 36% apurados pela Comissão Paritária  FNTF x VALEC em 2014. Com essa omissão, a VALEC Engenharia descumpre o que preconiza a Constituição Federal, ao garantir, anualmente, o reajuste salarial dos trabalhadores, por ocasião de suas datas bases, aplicando-se, no mínimo, os índices inflacionários.

Assim, milhares de ferroviários entre ativos, aposentados e pensionistas, a grande maioria em idade avançada, estão hoje limitados em sua remuneração salarial, a valores de maio de 2017, quando o governo é sabedor que a inflação está sempre muito acima dos índices anunciados por suas áreas econômicas.