Pesquisa e edição por Luis Fernando Salles

Com desemprego e expectativa de vida em alta, mais lares no país são sustentados pela renda de idosos. Aos 72 anos, o aposentado José da Cruz Pereira é responsável por pagar todas as contas de sua casa.
Apesar de morar com uma filha de 37 anos, e três netos, de 11, 18 e 19 anos, ele é o único que possui renda fixa. “Os maiores de idade não estão trabalhando e por isso eu assumo os gastos da família” Disse.

Para arcar com as despesas, além do salário mínimo que recebe do INSS, o aposentado se mantém no mercado de trabalho. Ele complementa a renda com a venda de álbuns de formatura. “Eu gosto de trabalhar, por enquanto não penso em parar. ”

Assim como na família de Pereira, os lares brasileiros que dependem da grana de aposentados estão em ascensão. Em um ano, a parcela de casas em que mais de 75% do ganho mensal vem de idosos subiu 12%, de 5,1 milhões para 5,7 milhões.
Os dados foram elaborados pela LCA Consultores, com base na Pnad Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
Segundo informa o instituto, desde 2016 há uma forte tendência de crescimento dos domicílios cuja principal fonte de renda são aposentadorias e pensionistas..
O engenheiro Eloi Gallego, 71, se preparou por quatro décadas para a aposentadoria. Seu objetivo era aproveitar o tempo livre para fazer viagens com a esposa.
Porém, quando sua filha e seu genro ficaram desempregados, Gallego assumiu todas as despesas familiares. “Como eu decidi não os deixar perder a qualidade de vida que tinham, as contas aumentaram. Agora é necessário fazer economias na rotina”, diz o aposentado.
Para Thiago Luchin, advogado especialista em direito previdenciário, o principal risco das famílias contarem apenas com a aposentadoria é a desvalorização do dinheiro. “Com o tempo, o poder aquisitivo diminui. Como o reajuste das aposentadorias é baixo, a cada mês o dinheiro vale menos”.
Os reflexos da crise econômica e a alta taxa de desemprego são aspectos que explicam o aumento da dependência da aposentadoria nas famílias.
Rogério Nagamine, especialista em gestão pública e governamental do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica), diz que mudanças estruturais da sociedade também impactam. “O aumento da participação de idosos, aposentados e pensionistas na população está crescendo e isso interfere totalmente na economia. ”

– No Brasil, a população ativa é quem financia a aposentadoria. Sem essas pessoas no mercado de trabalho, os problemas da Previdência vão perder ainda mais o controle. ”

Fonte: Clara Cerioni – Folhapress, Internet