Por Fernando Abelha

A VALEC Engenharia, através do Superintendente de Recursos Humanos, Mauro Fatureto, no decorrer da reunião de quarta-feira, 25, ofereceu 40% do percentual de 1,69% correspondente a inflação reconhecida pelo governo na data base de 1º de maio de 2018.

Da reunião participaram representes das bases dos sindicatos da FNTF e vários outros de outras bases de ferroviários, além do representante dos empregados do GEIPOT. Pela Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários – FNTF registramos João Calegari, do Rio Grande do Sul; Paulo de Tarso, Rio de Janeiro; sindicalista Pascoal, da Sorocabana (SP); José Carlos Machado, por Campinas (SP) e Gilberto, do Ceará.

As informações, obtidas na tarde de ontem na FNTF, foram fornecidas por Hélio Regato e por João Calegari, este representante do presidente da FNTF. João Calegari disse que o superintendente da VALEC, Mauro Fatureto, na apresentação da proposta, ressaltou que 0,58% representava um aumento de 40% da inflação de 1,69%. Disse que Fatureto afirmou ser “uma boa oferta, em face da situação calamitosa que o governo atravessa”. Esse pronunciamento foi classificado pelos representantes da categoria, como “um deboche infeliz e inoportuno”.

Por sua vez, Hélio Regato esclareceu que pela pauta da reunião, foi apreciado somente o índice de correção. Disse que, surpreendentemente, pelo menos os 0,58%, rejeitados bravamente pelos sindicatos, foi acima do ano anterior, quando a VALEC insistiu, até no TST, em reajuste zero. Esta proposta absurda foi derrubada no TST quando apreciou o Dissidio Coletivo e concedeu 3,98% que serão pagos com os atrasados  a partir do final de agosto. Adiantou que as cláusulas sociais e das perdas salariais não foram analisadas. Disse que nova rodada está agendada para o dia 29 de agosto e que após este encontro, caso não se chegue a uma solução, a FNTF impetrará novo Dissidio Coletivo no Tribunal Superior do Trabalho.