Comentários de Fernando Abelha

Colaboração do líder sindical João Calegari

O engenheiro Luiz Afonso Senna, Coordenador da equipe Pelt-RS que estuda a atual malha ferroviária no Rio Grande do Sul, constatou o seu abandono pela empresa que atualmente detém a concessão: a Rumo. O engenheiro lembra que, quando a malha foi concedida, na década de 1990, o seu tamanho era de cerca de 3,2 mil quilômetros, e, hoje, diminuiu para 2,1 mil quilômetros. “O Estado precisa de ferrovias, se esse concessionário não quer (investir), o que é obrigação contratual, então entrega para outro”, defende Senna. O sistema ferroviário gaúcho, para o engenheiro, deixa muito a desejar, Através de nota, a Rumo contesta as declarações de que está havendo um abandono da malha férrea gaúcha. “Pelo contrário, a concessionária vem se empenhado para fortalecer a logística do Rio Grande Sul”, diz o comunicado.