Pesquisa e edição: jornalista Luis Fernando Salles

A ferrovia que ligará Sinop ao porto de Miritituba, em Itaituba, no Pará não deverá ser licitada sob o regime de “direito de passagem”. A previsão consta dos estudos do Programa de Parceria em Investimentos do governo federal.

A Medida Provisória que o governo editou prevê na renovação das concessões ferroviárias, a criação de um fundo financeiro que será utilizado para construção de novas ferrovias no país, para as quais, faltem recursos.

No novo modelo, os trechos não ficarão sob exclusividade das empresas que construírem. No entanto, a “fórmula” encontrada pelo governo não deve ser aplicada na ligação de Mato Grosso ao Pará pelo fato de que os investimentos de R$12 bilhões para tirar a ferrovia do papel devem ser feitos por tradings (negociadoras de grãos). “Se o governo permitir que outra empresa passe ali, essas companhias não irão querer construir a via”.

A “Ferrogrão” teve mais um trecho adicionado para ligar o município de Lucas do Rio Verde e, com isso, terá 1.142 quilômetros de extensão. A previsão do governo federal é que o projeto seja responsável por gerar 116 mil empregos diretos.

Após concluídas as primeiras fases da obra, em 2020, poderão ser transportados até 13 milhões de toneladas de grãos e demais produtos. Com a ferrovia totalmente concluída, a previsão é que sejam transportadas 42 milhões (em 2050). O governo também definiu que o prazo de concessão será de 65 anos, o que será suficiente para atrair o interesse de “tradings” do setor agropecuário que utilizarão o corredor para exportação.

Com investimentos previstos de R$ 12,6 bilhões, o governo, no entanto, admite que o projeto poderá enfrentar problemas ambientais. Isso porque para que as obras saiam do papel será necessário mexer em parte da área do Parque Nacional do Jamanxim, no Pará.

Logo nas primeiras semanas de governo, o presidente Michel Temer (PMDB) anunciou a rodada do programa de concessões em infraestrutura, durante reunião do conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). No total, 25 projetos serão objeto de concessão, entre eles, a “Ferrogrão”. A previsão é lançar tanto o edital quanto o leilão no 2º semestre deste ano.

Fonte: Só Notícias – Pará