Comentários de Fernando Abelha

Os inconcebíveis obstáculos maldosamente perpetrados, há mais de um ano, contra a Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários – FNTF, na postergação das ações administrativas e judiciais, por ela defendidas legalmente com o objetivo de conseguir que o e então governo do Partido dos “Trabalhadores” honrasse o reajuste dos salários dos ferroviários, estão motivando amplos debates pelas lideranças da classe, através da WEB, nas redes sociais e com permanente troca de e-mails. Os ferroviários mantém a esperança que o atual governo seja facilitador para resolver a humilhante pendência salarial da classe.

Até à tarde de ontem o assunto aguardava definição, quanto à assinatura do Acordo Coletivo pela VALEC – Engenharia e pelos sindicados que formam a base da FNTF. Espera-se para próxima segunda-feira, dia 23, que a matéria obtenha uma definição, de vez que desde maio de 2014, os ferroviários não vislumbram qualquer aumento em seus salários.

Abaixo transcrevemos alguns e-mails recebidos com protestos e esclarecimentos em face à perversa situação que a VALEC nos impõe, o que se caracteriza por uma nefasta atitude, e leva aos debates que se seguem:

Do engenheiro Almir Gaspar, vice-presidente da Associação dos  Engenheiros da Estrada de Ferro Leopoldina – EEFL

“Meus Prezados Amigos,

Permitam-me participar desse debate muito interessante e salutar para os nossos interesses e tentar fazer alguma reflexão.

Discordo quanto ao ódio atribuído ao pessoal da VALEC, por entender que os funcionários daquela Empresa não tenham nada contra nós, pois sempre tivemos um convívio bastante profissional. É lógico que eles têm por obrigação defender os seus interesses, como a nós os nossos.

Porém, apenas para lembrança dos Amigos, tivemos nos últimos anos na VALEC, um Presidente efetivo e um Diretor respondendo pela Presidência, além de outros três Diretores, todos oriundos e aposentados da RFFSA, fora alguns outros cargos exercidos na VALEC.

As negociações trabalhistas, apesar das Áreas de Pessoal e outras, seguem a política estabelecida pela Direção, que cumpre a do governo e que entendendo a situação de tais empregados, mesmo em quadro em extinção, poderiam obter melhores orientações junto aos Órgãos de governo. O que fizeram tais “colegas” ferroviários? Qualquer leigo pode responder: NADA!!!

Ainda por cima buscaram sempre não encaminhar nossos pleitos, como por exemplo: o Relatório da Comissão Paritária, mesmo com maioria da empresa, conseguiu gerar o relatório que nos seria mais justo. A VALEC nesse momento tinha um Presidente/Diretor aposentado da RFFSA. Quem tem mais ódio dos ferroviários?

Por isso, desculpem-me, mas não poderia deixar de me envolver, pois ainda como Presidente da AEEFL, juntamente com colegas de outras Entidades de Classe, percorremos diversos gabinetes, inclusive de Ministros, mas nossas dificuldades eram sempre maiores com os NOSSOS.

Entendo que realmente poderíamos buscar caminhos políticos, mas temos que primeiramente nos reerguer e deixarmos para trás certas questões e nos unirmos para o interesse coletivo e não individuais.

Tomei a liberdade de enviar cópia deste meu desabafo para alguns Amigos, com os quais percorremos tais gabinetes e inúmeras reuniões em Brasília e Rio de Janeiro, inclusive ao Deputado e Ferroviário Paulo Feijó, que sempre que possível nos acompanhava ou com seu prestígio conseguia agendar reuniões/audiências e deixava-nos com acesso direto ao seu próprio gabinete.

Com um forte abraço”.

Almir Gaspar

Do engenheiro Walter Gêd

“Vamos acionar o Deputado Paulo Feijó (PR-RJ), único representante dos ferroviários na Câmara dos Deputados, para ver se conseguimos alguma coisa”.

Walter Gêd

Do engenheiro Manoel Geraldo ex-inventariante da RFFSA e diretor da AEEFL.

“Gêd

Estamos no mato sem cachorro…

Os membros ferroviários da Comissão Paritária, antes formada para apresentar nossos pleitos no governo passado, deveriam aproveitar a abertura política que tiveram e buscar junto ao novo governo justiça para nossa penúria…

Por experiência própria, concordo com a sua colocação sobre o ódio do pessoal da antiga Vale contra o pessoal da RFFSA, principalmente contra nós da SR-2. A guerra era constante e eles venceram a disputa engolindo a nossa ferrovia e deixando de pagar enormes quantias que nos deviam por transferência de trechos, etc.

Abraços”

Geraldo

“Caro Jorge Luiz.

Boa tarde.

Volto a repetir que o pessoal da VALEC tem ódio de nós da RFFSA.

Isso vem de muito tempo atrás na concorrência da minha saudosa EFCB X CVRD.

É um deboche a oferta de 5% quando a inflação no período foi superior a 10%, sem contar com as perdas acumuladas que são superiores a 50%.

Como já me manifestei anteriormente e contei com o apoio do Manoel Geraldo, deveríamos tentar criar uma lei específica estabelecendo aplicar-se aos aposentados e pensionistas da RFFSA o índice de reajustes dados aos demais aposentados do INSS, uma vez que dentro de pouco tempo não teremos mais nenhum empregado na ativa.

Acho que o momento é atual, em face de a PeTralhada está fora do poder, para acionarmos o Deputado PAULO FEIJÓ para dar partida no processo junto a Câmara Federal.

Saudações Ferroviárias e um

Forte abraço do

Walter Gêd”

Em 19 de maio de 2016

Do advogado e líder ferroviário Celso Paulo

“Às vezes é bom a verdade ser revelada. Minha solidariedade Almir”.