Os aposentados e pensionistas que completaram 65 anos de idade em 2015 têm direito a um valor extra de isenção mensal e na declaração.
Esse benefício equivale ao valor do limite de isenção previsto na tabela para calcular o IR mensal. Para 2015, foram dois valores: R$ 1.787,77 entre janeiro e março e R$ 1.903,98 de abril a dezembro.
O benefício abrange apenas os valores de aposentadorias e pensões, de transferência para a reserva remunerada ou de reforma, pagos pela previdência oficial ou por entidade privada.
Assim, quem completou 65 anos até 31 de janeiro de 2015 tem direito ao benefício pelos 12 meses do ano (desde que já estivesse aposentado ao final de 2014).
Os aposentados que completaram 65 anos até essa data terão direito ao limite anual de até R$ 24.403,11 (esse valor é válido para quem recebeu R$ 1.903,98 ou mais por mês em 2015).
Esse é o valor máximo que pode ser lançado na linha 06 da ficha Rendimentos isentos e não tributáveis e corresponde aos limites mensais que vigoraram em 2015 mais o 13º salário.
O que exceder esse valor deve ser informado na ficha Rendimentos tributáveis recebidos de PJ pelo titular.
Para quem recebeu R$ 1.903,98 ou mais, a fonte pagadora indicará o valor da parcela do 13º salário que foi tributada exclusivamente na fonte e que deverá ser declarada na linha 01 da ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva.
Se o contribuinte tiver outras fontes de renda, como salário e/ou aluguel, deverá lançá-las também como rendimento tributável (nas fichas referentes a PJ e a pessoa física, conforme o caso).

Fonte: Folha de S.Paulo

Previdência Complementar 

Quem recebe aposentadoria pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tem previdência privada complementar ou as duas juntas deve informar os rendimentos na Declaração do Imposto de Renda 2016. O Ministério da Previdência Social e as instituições financeiras repassam as informações à Receita Federal, portanto, o aposentado corre o risco de cair na malha fina, se não prestar contas ao Leão.
Deve fazer a declaração o aposentado que recebeu, em 2015, acima de R$ 28.123,91. Aposentadoria que ultrapassa esse valor, vai pagar IR. Importante lembrar que aposentados com idade superior a 65 anos tem algum benefício: desconto de até R$ 24.403,11 sobre os rendimentos que superarem a isenção de R$ 28.123,91.
“É uma renda como se fosse assalariado novamente”, explica o professor Rubens de Oliveira Gomes, do Ibmec mineiro. Ele lembra que o aposentado maior de 65 anos nem se preocupa em fazer as contas, porque o programa do IR faz, automaticamente, assim que é registrada a data de nascimento.
Tabela
Os informes sobre rendas de aposentadoria vão para a ficha Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoas Jurídicas. Quando o contribuinte recebe do INSS, e ainda de um plano de previdência ou fundo de pensão, essas duas rendas são somadas. O excedente à faixa de isenção paga IR, segundo a tabela progressiva entre 7,5% e 27,5%.
As contribuições para o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) vão para a ficha Pagamentos Efetuados, com o código 36. As aplicações em Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), na ficha Bens e Direitos. O advogado tributarista lembra que está isento do pagamento de IR quem se aposentou por doença grave, por exemplo.

Fonte: Correio Braziliense