Estação Francisco Morato, da Linha 7-Rubi, será reformada para o projeto do Trem Intercidades - Foto: Divulgação/CPTM
Estação Francisco Morato, da Linha 7-Rubi, será reformada para o projeto do Trem Intercidades – Foto: Divulgação/CPTM

Com o fim da consulta pública, em outubro, projeto entra em fase de sondagem de mercado

Projeto que pode representar a volta de um sistema ferroviário de passageiros de média e longa distâncias em São Paulo, o Trem Intercidades (TIC) teve sua consulta pública finalizada no último mês de outubro. Nos encontros, o público teve acesso às informações do chamado Eixo Norte (São Paulo a Campinas), primeira das quatro linhas que o governo do estado pretende concessionar através do modelo integral de Parceria Público-Privada (PPP). Nesse formato, a iniciativa privada, além de gerir e manter o sistema, também é responsável por construí-lo. As outras linhas em projeto, mas sem previsão de edital são Eixo Sul (São Paulo a Santos, passando pelo ABC e Cubatão); Eixo Oeste (São Paulo a Sorocaba, passando por São Roque); e Eixo Leste (São Paulo a Pindamonhangaba, passando por São José dos Campos e Taubaté).

O TIC Eixo Norte prevê, inicialmente, ligar as cidades de São Paulo e Campinas e, futuramente, poderá ser expandido até Americana. O projeto engloba três tipos de serviços: o TIC, o Trem Intermetropolitano (TIM) e a operação da Linha 7-Rubi da CPTM. O TIC terá 101 km de extensão, ligando a estação de Barra Funda à cidade de Campinas, e com apenas uma parada em Jundiaí. O tempo estimado de viagem é de pouco mais de uma hora. Já o TIM, também chamado de “serviço parador”, terá 65,8 km de extensão, ligando o município de Francisco Morato a Campinas, com nove paradas e tempo estimado de 55 minutos de viagem. Por fim, o projeto prevê a modernização e readequação da Linha 7-Rubi, com 13 estações e 35,2 km de extensão. O trecho vai da estação de Barra Funda a Francisco Morato, com tempo estimado de 50 minutos de viagem.

Fontes: CPTM, Revista Ferroviária