Jornal da Manhã (Uberaba-MG) – Em elaboração desde o ano passado, Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais foi finalizado este mês pelo Estado e apresentado ao Ministério de Infraestrutura. O estudo inclui dez rotas de trens regionais de passageiros elegíveis para serem implantados no território mineiro e uma proposta atenderia o município de Uberaba.

A princípio, 23 propostas de trens regionais de passageiros foram levantadas pelo Estado, mas apenas dez foram consideradas elegíveis para integrar o Plano Estratégico Ferroviário. Foram considerados aspectos socioeconômicos, frequência de viagens em cada segmento e demanda estimada do serviço para definir as rotas prioritárias apontadas no documento.

Duas rotas de trem eram estudadas inicialmente a partir de Uberaba: uma para Araguari e outra para Ibiá. No entanto, a versão final do plano unificou os dois trechos e propôs um percurso de 503 quilômetros de extensão de Araguari a Campos Altos.

Conforme o projeto, a rota contaria com oito estações, interligando pela ferrovia os municípios de Araguari, Uberlândia, Uberaba, Nova Ponte, Santa Juliana, Araxá, Ibiá e Campos Altos. A viagem até o ponto final teria duração total de 9 horas.

A proposta do governo mineiro seria o compartilhamento da operação de carga já existente com o transporte de passageiros no trecho. Foi estimada uma tarifa de R$6,98 para a classe econômica e R$18,72 para assentos no vagão executivo, porém não foi informado se o valor seria por trecho ou para o trajeto completo.

A projeção seria a operação dos trens regionais por 27 dias no mês, com capacidade para transporte de 285 passageiros por viagem. O estudo apontou um volume mensal de 36.150 pessoas interessadas no deslocamento via ferrovia no trecho, contra 469.890 de carro e 96.365 de ônibus.

Entenda. O Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais é um portfólio de projetos a serem priorizados para a implantação e operação de uma nova estrutura ferroviária no Estado. Lançado em agosto de 2019, o plano partiu do diagnóstico do atual sistema e da identificação de demandas em todas as regiões do Estado, para definir um horizonte de investimentos de curto, médio e longo prazos para transporte de passageiros e de cargas sobre trilhos.

O documento finalizado este mês elenca propostas, agrupadas por áreas temáticas, como transporte ferroviário regional de passageiros, transporte de cargas e transporte turístico. A ideia é que esses estudos possam nortear iniciativas de implantação de novas rotas, seja pela iniciativa privada, por organizações sociais ou pelo Poder Público.