Colaboração e autoria do Eng. ferroviário Geraldo de Castro Filho

“Um sábio foi um dia  perguntado,

Quantos anos de vida , ele já os tinha

Pois tantas verdades ali havia falado

Naquela plateia, a quem tanto entretinha.

 

– Talvez eu tenha dez, quiçá  quarenta

Respondeu o velho sábio, com sorriso e uma doce ironia

Minha saúde, quem sabe,  ainda aguenta

O peso de muitos novos anos,  de belos dias!

 

– Mas como? Pareces muito mais idoso,

Cabelos brancos, tantas rugas e sabedoria;

De pronto respondeu, aquele jovem curioso,

Querendo saber  muito mais, que   poderia.

 

– Não confundas as minhas alegres, breves  respostas

Caro jovem, eis que tens dúvidas certamente infindas.

Da vida o que  tenho são as novas propostas.

São os anos que virão; que serão vividos ainda.

 

-Perguntastes quantos anos que eu tenho;

Não os tenho, são  belos  anos já  vividos.

Eles ficaram em  momentos do passado

 Nunca mais,   serão anos a ser   revividos.

 

 

 

 

– O que tenho é a vida pela frente.

São os dias que pra frente ainda virão.

São os dias que projeto em minha mente,

Com a energia que me restar no coração.

 

– O que tenho são as novas belas estradas

Os caminhos que ainda poderei percorrer.

As escolhas que farei pelas encruzilhadas

Que farei para felicidades merecer…

 

– O que eu tenho são os anos que virão,

Os  objetivos ,  sonhos novos que criarei

São as esperanças, para acalentar o coração.

São os amigos, novas historias que  viverei

– Anos que tenho, não são  minha idade; Isto não.

Anos passados não os tenho, já  foram embora!

Os anos que tenho, são aqueles que ainda  virão

Que viverei:   escrevendo uma NOVA HISTORIA.”

     Autoria: Gedecastro, 01/2019