A propósito da notícia publicada na última quarta-feira,  recebemos do eng. Geraldo de Castro Filho o seguinte e-mail:

“Esta graciosidade, de característica humanitária tem suas consequências.  Pode impactar no pagamento de milhares de participante aposentados, no futuro. 

Alguns detalhes precisam ser conhecidos e analisados: 

– São poucos participantes, que PEGAM EMPRÉSTIMO NA REFER, se comparados percentualmente  ao efetivo ativo e aposentado,  

– A REFER empresta, em uma forma de  investimento para receber o montante e os juros. Se não tiver o retorno contratado, seu patrimônio será  dilapidado. Não tem como compensar. 

– Todo participante da REFER tem vinculo empregatício e consequentemente salários ou proventos. Não está sofrendo calamidade por falta de dinheiro. É questão de controle pessoal ou investimento extra. 

– Varias patrocinadoras estaduais,  estão a beira da falência com patrimônio financeiro em risco de se esgotar. Se isto acontecer a REFER vai sofrer ações na justiça para repor aos participantes sua poupança, saia de onde for possível sair. 

– Muitos empregados ativos das patrocinadoras estaduais, da Central Logística, Rio Trilhos, Metrorec, CTB da Bahia, não pagaram seus empréstimos ou os respectivos governos estaduais   não repassaram as parcelas  para a REFER. Isto é acontece com frequência. 

A REFER, não tem finalidade social, não é empresa publica, e tem dividas a receber dos governos federal e estadual… 

Cada um que faça sua avaliação e se achar prudente  comunique com a REFER… 

Eng. Geraldo de Castro Filho”