Rafael Castello substitui general que ficou cerca de 70 dias no cargo O presidente da Valec, general Marcio Velloso Guimarães, anunciou à sua equipe na sexta-feira (8) que estava deixando o cargo, informaram fontes ao Valor, após cerca de 70 dias no cargo. A saída foi decidida no dia anterior, em audiência com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.
O substituto já está escolhido. É Rafael Castello, atual assessor da diretoria de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto para privatizações no BNDES. Engenheiro formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), tal como Freitas, é um executivo de mercado.
Ao falar aos funcionários da estatal, Velloso não revelou a razão de sua saída. Afirmou, porém, ter convicções das quais não abre mão, sem tecer nenhuma crítica ao ministro. Disse também que a estatal passará a ter um comando mais voltado ao mercado e que talvez tenha sido “conservador” nesse ponto.
Hoje, a principal atividade da Valec é construir a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que atravessa a Bahia. Um primeiro trecho dessa linha, ligando Ilhéus a Caetité, está qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) para ser concedido. A previsão de investimentos só nesse trecho, que tem 537 quilômetros, é de R$ 3,3 bilhões.
A ideia na equipe de transição para o governo de Jair Bolsonaro, no fim de 2018, era liquidar a Valec. Foi escolhido um técnico para comandar esse processo, mas ele nem chegou a ser nomeado.
Na maior parte deste ano, a Valec, que tem orçamento de R$ 921 milhões, ficou sem presidente. A estatal ficou sob as orientações de dois diretores: José Luiz Vianna e
Paulo Campolina.

Fonte: Valor Econômico, Por Lu Aiko Otta — De Brasília,Internet