Colaboração do economista e ferroviário Paulo Guilherme