Pesquisa e edição jornalista Luis Fernando Salles

Dados da Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transporte Coletivo (Agetransp), obtidos através da Lei de Acesso à Informação, revelam que os usuários de trens da Baixada Fluminense foram os que mais sofreram no Rio com o registro de atrasos não justificados e supressões (cancelamentos de partidas ou interrupção de circulação) nos últimos seis meses. Neste último quesito, o ramal de Gramacho (que liga o bairro de Caxias à Central do Brasil) ocupa o primeiro lugar no ranking geral, com 576 supressões registradas entre janeiro e junho de 2019.

Em segundo lugar, está o ramal de Saracuruna, que faz a ligação por trilhos até a estação de Gramacho. Só neste trecho, foram registrados um total de 481 interrupções de circulação ou cancelamentos de partidas. Em terceiro lugar aparece o ramal de Belford Roxo, com 478 supressões. Em seguida surgem os ramais de Deodoro e Santa Cruz, que circulam apenas no município do Rio. No quesito falta de pontualidade, os números também não são animadores na Baixada. Saracuruna, Japeri, Gramacho e Belford Roxo ocupam, respectivamente, o 3º, 4º, 5º e 6º lugares no ranking geral dos atrasos.A rotina de atrasos e interrupções não é novidade para quem mora na região e depende do trem para ir e voltar de algum lugar.

Fontes: Revista Ferroviária e O Globo