Colaboração do engenheiro Geraldo de Castro

Edição Luis Fernando Salles

No passado, muitos países decidiram investir em rodovias e deixaram para trás as ferrovias. Hoje sabe-se que os trens são um meio de transporte eficiente, e ainda mais, se movidos com fontes limpas de energia, sustentáveis.

É o caso do projeto Tren de La Quebrada, que pretende ligar Argentina, Bolívia e Peru através de trens que funcionam com energia solar.

Os carros de passageiros, com capacidade para 240 pessoas, têm uma série de painéis solares no teto. A energia produzida por eles é suficiente para fazê-lo atingir até 60 km por hora e ainda pode ser armazenada.

Para fazer a modificação em trens antigos, são instalados motores de tração elétrica e inversores de tração, além de baterias de íons de lítio.

A construção para o primeiro trecho da ferrovia latinoamericana, de pouco mais de 20 km, foi iniciada no começo do ano e conectará Volcán, Purmamarca e Maimará, todas cidades na província argentina de Jujuy.

A próxima fase do projeto, que deverá começar no segundo semestre, ligará a ferrovia com a cidade de La Quiaca, divisa da Argentina com a Bolívia. De lá, o passageiro poderá embarcar na linha ferroviária boliviana para ir até Cusco, no Peru.

O objetivo final é que o trem turístico chegue até Machu Picchu, onde serão utilizadas as trilhas do Caminho Inca. O trajeto total deverá ser de 240 km e terá entre 5 e 6 horas de duração. A estimativa é que a obra completa termine em 2022.

O projeto conta com a ajuda de especialistas que trabalharam na implantação do Byron Bay Train, na Austrália, o primeiro do mundo a funcionar com energia produzida pelo sol.

Todos os equipamentos no trem solar são alimentados pelas baterias de íons de lítio, incluindo compressores de ar e circuitos de controle. Para reduzir o consumo elétrico, toda a iluminação foi substituída por lâmpadas LEDs.

trem-movido-energia-solar-ligara-argentina-bolivia-peru-2-conexao-planeta.jpg.pagespeed.ce.vuDn5g_7Wi.jpg

Transporte público e sustentável

O investimento no transporte público, movido com energias produzidas a partir de fontes renováveis, é uma tendêndia mundial. Pelo menos naqueles países onde os governos sabem que é preciso reduzir as emissões de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global.

Em setembro do ano passado, o primeiro trem do mundo a hidrogênio começou a operar na Alemanha. E na Holanda, todos os trens já são movidos a energia eólica.

Será que algum dia veremos algo parecido no Brasil?

Algo um pouco semelhante é um projeto em desenvolvimento na capital paranaense, Curitiba, onde será feito um teste com um ônibus, movido a biometano, produzido a partir do lixo orgânico.

Fonte: Internet