Por Fernando Abelha

Está previsto para hoje, às 14 horas, nova rodada do Acordo Coletivo encaminhado pela Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários-FNTF a VALEC Engenharia, pelo qual é pleiteado o justo direito dos ferroviários em receber nos seus salários, a correção monetária plena de 1,87%, arbitrada pelo governo federal aos salários dos trabalhadores, com a data base em 1º de maio de 2018.

Como ocorre todos os anos, a opressora VALEC Engenharia posterga o pagamento deste justo direito aos ferroviários por mais de um ano, levando prejuízo à categoria representada por ferroviários da extinta RFFSA ainda em atividade, aposentados e pensionistas, em torno de 60 mil vidas.

Sabe-se, no entanto, que a FNTF disponibilizou todos os 10 sindicatos da sua base, para que compareçam a Brasília a fim de participar da reunião agendada pela VALEC. Os dirigentes sindicais receberam orientação do presidente da FNTF, Hélio Regato, para que não transijam do valor pleno da inflação e das perdas salarias de 36% reconhecidas pela direção da VALEC, em 2014, quando da constituição de uma Comissão Paritária com a participação de representantes da categoria e da empresa. Sabe-se, também, que caso não cheguem a um acordo, a FNTF impetrará novo Dissídio Coletivo junto ao Tribunal Superior do Trabalho-TST. Se assim ocorrer, certamente, a solução dos nossos direitos somente será definida no decorrer de 2019.

Triste destino da classe ferroviária que além de abandona, é humilhada continuadamente, à mercê da boa vontade de uma empresa para onde os ferroviários foram jogados pelo governo, com objetivo de atingir os seus propósitos de exterminar com a RFFSA.

Por sua vez, este blog cobrará dos candidatos que apoiaram que cumpram a promessa de defender os ferroviários daqui para frente. Assim será.