A Justiça Federal determinou que a União e o Governo do Rio tem 10 dias para apresentar o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros e o Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio da Estação Barão de Mauá, na região central da cidade, sob multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento. Na decisão, o juiz Paulo André Espírito Santo Bonfadini também ordena a realização de obras emergênciais para evitar o desprendimento de reboco da fachada e queda da marquise no prazo de 180 dias, também passíveis de multa diária no mesmo valor por desacato.

Antes disso, a Supervia tem 10 dias para colocar suportes na marquise e a Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística, redes de contenção na fachada do prédio no prazo de 30 dias. Caso não seja executado, a pena diária é de R$ 10 mil.  Também conhecida como Estação Leopoldina, a edificação histórica é de 1926 e de lá partiam trens para o interior do Rio e para os estados de São Paulo e Minas Gerais.  De acordo com o historiador Milton Teixeira, a Estação Leopoldina remonta um período importante da história carioca.

Durante uma vistoria, o Ministério Público Federal apontou risco de incêndio devido à quantidade de papéis arquivados nos andares superiores do prédio, fiação exposta e consumo de drogas no local. Em agosto do ano passado, a Justiça já havia determinado providências urgentes para resguardar o patrimônio e as pessoas passam pelo local, mas a União e a Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística, proprierárias do imóvel, vem postergando a determinação. O projeto definitivo de reforma depente de avaliação técnica dos institutos do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e Estadual do Patrimônio Cultural.

Fonte: Bandnews