Por Adauto Alves

A instabilidade política e financeira do nosso país, não permite maiores delongas, o quadro está aí. Mas nem por isso. Somos brasileiros, mas acima de tudo ferroviário e não podemos tirar o foco, da nossa busca pela recuperação de nossa dignidade, e tranquilidade para retirarmos nossa família, em sua maioria, da situação falimentar vivida hoje.

Nossa classe, isto vem de anos e anos, sempre quando estava prestes a uma conquista ao nosso favor, vinham as crises, as quais nada tínhamos com isto, mas nos prejudicando no contexto. Estive no Rio de Janeiro, aproximadamente 10 dias, cidade que se encontra, praticamente, em uma guerra civil. No RJ cumpri obrigações de Vice-Presidente da Mútua, e, concomitantemente, também, na FNTF como seu diretor, acompanhando passo a passo junto ao Ministro Hélio Regato, o decorrer de nosso dissídio.

Obviamente, ninguém é inocente a tanto para não perceber, a artimanha como a VALEC vem se utilizando para descumprir os compromissos por ela assumidos com nossa classe, se reunindo com outras representações, que não as nossas, simplesmente para postergar e discutir assuntos que já foram decididos em 05 de dezembro 2017, tais como as cláusulas sociais, e estipulado as causas econômicas para fevereiro de 2018. Já estamos no final de maio, contando não como uma benevolência, mas excesso de paciência de nosso egrégio tribunal, somente este mês dias 14 e 18 ocorreram duas reuniões, sem a presença efetiva da FNTF, mas com a Federação ligada a CUT, nada contra os companheiros, e arquitetaram uma para dia 06/06, quando o prazo dado pelo TST expira dia 11/06, que não vai dar em nada.

Lembrar, que ouvi em Brasília de um Ministro de Estado, que a VALEC seria a substituta da RFFSA, ofensa maior a nossa classe não poderia existir. Trata-se de uma empresa de Construção Ferroviária, inclusive seus Dissídios Coletivos são suscitados pelo Sindicato de Construção Civil de Brasília, nada a ver conosco. Agora vêm substituindo Diretores, problema interno deles. Diante deste quadro, para não alongar mais, a FNTF e seus Sindicatos da Base, através do Ministro Hélio Regato, dia 23/05,quarta-feira passada, emitiu documento, que tive oportunidade de conhecer, dirigido ao TST- ao Relator do nosso Dissídio, que em momento algum se propôs  a negociar algo já negociado, com muita serenidade e respeito, solicita que o Tribunal Superior do Trabalho, coloque em pauta para julgamento, as cláusulas econômicas  e dentre elas os índices inflacionários e a Revisão Salarial, autorizada por Comissão Paritária, e que teve reconhecimento pelo Procurador Federal do Trabalho. Essa peça se encontra no processo. Necessitamos é que todos confiem e acreditem, repito vamos todos nos permanecer unidos, aqueles que conduzem este processo, e que sabemos querem o melhor, não para uns, mas para todos.

Desculpem pela extensão do texto. BOM DIA.EU ACREDITO.VAMOS ACREDITAR E TER FÉ.

   Belo Horizonte,28 de Maio de 2018.ADAUTO ALVES- Vice Presidente da Mútua e Diretor da FNTF.