Por Luis Fernando Salles

Os golpes através da internet, por telefone e cartas se sucedem a cada dia. A Fundação REFER e as Associações de Classe que desenvolvem ações na Justiça do Trabalho ou outro qualquer foro, não autorizam a  ninguém falar por elas. Qualquer contato com pedido de dinheiro ou informações de seus dados social devem ser negados. Entre em contato com as instituições que eles alegam representar e faça o esclarecimento necessário.

A Susep voltou a publicar comunicado oficial alertando para um problema recorrente: quadrilhas estão novamente utilizando o nome e a marca da autarquia para aplicar golpes contra cidadãos desavisados. De acordo com órgão regulador, a tentativa de golpe consiste em fazer com que as pessoas abordadas acreditem que possuem valores, referentes a contratos de seguros e/ou planos de previdência complementar aberta, a receber.

A prática vem sendo registrada em todo o território nacional. Por meio de mensagens eletrônicas (e-mails) ou contatos telefônicos, os golpistas usam o nome da Susep com o intuito de enganar cidadãos.

Contudo, em alguns casos, além de utilizar o nome da Susep, as quadrilhas recorrem às marcas de seguradoras, empresas em liquidação ou falência e até do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) na tentativa de lesar vítimas, requisitando quantias em dinheiro para liberação de benefícios quenão existem.

A autarquia esclarece que, sob hipótese alguma, seus servidores e dirigentes entram em contato com cidadãos para tratar questões que envolvam montantes financeiros. A Susep orienta a população para que não sejam efetuados pagamentos ou depósitos de valores sugeridos, assim como, que não sejam fornecidos dados pessoais ou cadastrais. Reitera ainda que qualquer cidadão abordado ou lesado pode realizar queixa do ocorrido junto às autoridades policiais competentes.

Fonte: CQCS