Comentários por Fernando Abelha

Recebemos do líder ferroviário Adauto Alves, vice-presidente da Associação Mútua Auxiliadora da Estrada de Ferro Leopoldina, o seguinte pronunciamento sobre o adiamento no Superior Tribunal do Trabalho – TST, do processo conduzido pela Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários para atualização dos salários pendente desde maio de 2015.

Pronunciamento:

“Prezados Companheiros Ferroviários. É revoltante, nos deixa indignados, a humilhação com que a VALEC, trata nossa classe ferroviária, Ativos, Aposentados e Pensionistas, com relação ao nosso Dissídio/Acordo Coletivo 2015/2016. Covardemente, escudada na situação por que passa o País, se esquiva de todas maneiras, em pelo menos discutir as nossas reivindicações. Desumano este tratamento, no período talvez mais difícil de nossa vida, nossos salários os mais baixos do país, vamos para o segundo dissídio, sem qualquer perspectiva  de melhora. O que fizemos a esta gente, se é que pode-se chamar de gente, para este verdadeiro massacre, nós que lutamos tanto pelo desenvolvimento desta Nação. Nossos companheiros, em sua maioria, passam por todo tipo de necessidades, a mais triste  a falimentar, muitos recebem aquém do salario mínimo vigente, uma política salarial, repito, perversa. Este foi sempre o tratamento que nos foi dado, ao se aproximar de nossa data base. Ficar mencionando leis, é perda de tempo, pois ninguém as cumpre. Dependemos de uma ação junto aos aproximadamente  400 ativos, para que se cumpra junto aos aposentados e pensionistas, as leis da paridade. Quando o Tribunal Superior do Trabalho, na reunião do dia 27/04, onde nada foi decidido, fez uma proposta marcando uma reunião de conciliação, para a semana seguinte, dia 04/05, que tudo indica não acontecerá, deduzimos que estávamos sendo vítima de uma mentira e chantagem, por parte desta famigerada estatal. Nossa esperança é que Deus está dando um jeito neste País, e olhará por nós. Nos resta aguardar os próximos passos, daqueles que negociam por nós. B.Hote- 03/05/2016- Adauto-Mútua e FNTF.