O ministro-chefe da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto, nomeou Tiago Pontes Queiroz para exercer o cargo de secretário nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do Ministério do Desenvolvimento Regional, no lugar de Adriana Melo Alves, que foi exonerada.

A troca na secretaria de Mobilidade Urbana contempla o Partido Republicano-PR com um cargo de relevância no segundo escalão do governo. A mudança também envolveu um movimento mais amplo dos três partidos do Centrão (PP, PL e Republicanos) para atrair o apoio do PSC, que conta com nove deputados.

Tiago Pontes Queiroz era superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) de Recife. Queiroz já atuou no Ministério da Saúde na gestão do PP, durante o governo Temer, período em que virou alvo de um processo de improbidade administrativa. Mas, segundo fontes, seu padrinho político é o deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE).

A secretaria é responsável por obras de mobilidade urbana em todo o país, como construção de corredores de ônibus, veículos leves sobre trilhos (VLTs) e metrôs, por meio de convênios ou gerenciamento de empréstimos milionários para prefeitos e governadores.

A movimentação política, porém, visou angariar apoio de outro partido e o deputado André Ferreira (PE), líder do PSC na Câmara, indicou Carlos Fernando Ferreira da Silva Filho para superintendente da CBTU – a nomeação ocorreu há duas semanas. A CBTU nacional continua nas mãos do PP, controle que vem desde os governos do PT.

Essa é a segunda nomeação para o segundo escalão do governo em acerto do presidente Jair Bolsonaro com o Centrão desde o início da pandemia. Bolsonaro resolveu entregar cargos para esses partidos em troca do apoio para barrar um impeachment e isolar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Na quarta-feira, o deputado Sebastião Oliveira (PL-PE), que está prestes a se filiar ao Avante, indicou o novo diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs) numa nomeação intermediada pelo líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL). O pepista tem utilizado essas negociações com o governo para se fortalecer junto a outros partidos e se cacifar para a eleição da presidência da Câmara em fevereiro de 2021. Além de Avante e PSC, os partidos desse grupo também tentam atrair Patriota, Pros e parte do Podemos para esse bloco de apoio ao governo.

Fontes: Valor Econômico, Revista Ferroviária, Internet.