Colaboração do engº Walter Gêd Chagas Valverde

Edição de Luis Fernando Salles

A colaboração entre Raymond Loewy e a Pennsylvania Railroad (PRR) é um caso de sucesso. A PRR foi durante muitos anos a maior companhia ferroviária dos EUA, proprietária de mais de 16 mil quilômetros de linha férrea e empregadora de cerca de 250 mil trabalhadores. Diz-se que o seu presidente era mais poderoso que o próprio presidente dos EUA. Em 1934 a empresa construiu uma locomotiva que se viria a tornar uma referência mundial, a GG1, uma unidade de tração eléctrica bi-direcional que serviu de modelo a muitas locomotivas ainda hoje em serviço. Contrariamente ao que se pensa, não foi concebida por Loewy. A intervenção do designer surgiu mais tarde ao sugerir melhoramentos na forma e na construção, como o abandono dos rebites e a utilização de soldaduras. Seria o início de uma extraordinária viagem.

unnamed
Divulgação Internet

Em 1937, quando a PRR decidiu construir uma nova locomotiva a vapor, contratou os serviços de Loewy, que desenhou para o efeito uma possante máquina de belas linhas aerodinâmicas. Denominou-se S1 e foi alcunhada The big engine. Até quando estava parada parecia veloz, assim era de fato, mas nunca atingiu as performances que se esperava dela: 160 Km/hora a puxar 1000 toneladas. Entrou ao serviço em 1939 e só foi retirada em 1945. A S1 permanece ainda hoje como um arquétipo do design industrial moderno ao estabelecer padrões que viriam a dominar quase todo o século XX.

A colaboração de Loewy com a PRR veio a produzir ainda a T1, a maior, mais potente e impressionante de todas as locomotivas a vapor da companhia, esta sim capaz de atingir facilmente os 160 Km/hora com 1000 toneladas de carga – a sua potência era tal que era frequente as rodas patinarem. A T1 era uma máquina soberba com mais de 6000 Hp, de construção tecnológica sofisticada e complexa, que foi produzida de 1942 a 1946 – cinquenta exemplares ao todo. A companhia depositou grandes esperanças nesta máquina e chegou a vê-la como o protótipo do futuro dos transportes de alta velocidade em carreiras de longa distância. Mas a realidade foi outra. Problemas de fiabilidade e manutenção comprometeram a sua continuidade e, em 1948, foi retirada do serviço. Era também o advento das locomotivas diesel.