Pelo Professor José Cássio Ignarra

Desde 2017 estende-se o processo da transferência da Biblioteca da RFFSA para a Biblioteca do Centro de Tecnologia da UFRJ. Em agosto deste ano a UFRJ solicitou à RFFSA a elaboração da minuta de um Termo de Doação para acionar instâncias administrativas da Universidade. A RFFSA procrastinou a elaboração da minuta até que seu processo da liquidação chegou ao fim, a Inventariança foi extinta, e todos os assuntos pendentes passaram para a competência do DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, vinculado ao Ministério dos Transportes, em Brasília. O acervo da biblioteca permanece no mesmo lugar, em uma sala do prédio da Administração Central da RFFSA, com a diferença que agora a sala está trancada e só se tem acesso a ela através de autorização de Brasília.

Os poucos empregados da RFFSA que ainda atendem ao telefone não sabem informar quais serão os próximos passos no sentido de retomar o processo de transferência.

A Biblioteca do Centro de Tecnologia da UFRJ continua com a mesma disposição de receber o material, mas tem esbarrado na burocracia, uma vez que nenhuma das pessoas com as quais a chefia da Biblioteca conseguiu conversar nas últimas semanas sabe informar o que pode e deve ser feito para que finalmente a instituição receba esse material que é de grande interesse da comunidade acadêmica do CT/UFRJ”.

Quem se preocupa com a preservação do imenso patrimônio histórico ferroviário do Brasil tem um motivo a mais para estar apreensivo. É necessário que se estabeleçam com urgência os novos canais de comunicação e que se definam as pessoas em Brasília que cuidarão deste assunto daqui por diante.

José Cassio Ignarra

pelo Movimento de Preservação Ferroviária

jotacassio@gmail.com>