Colaboração de George Telles

 Porto Velho, RONDÔNIA – Ainda sem local adequado para se instalar e funcionar como em décadas atrás, a nova diretoria da Associação dos Ferroviários da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (ASFEMAM) foi empossada, na manhã da quarta-feira 27. O evento teve lugar num ambiente seleto do Teatro Banzeiros.

Sem a presença de representantes do Ministério Público Estadual e Federal (MPE-MPF), instituições envolvidas diretamente no processo de revitalização da Ferrovia. Prestigiaram o acontecimento o presidente da Funcultural, museólogo Antônio Ocampo Fernandes, enviados da Federação do Comércio e do IPHAN. Notou-se a ausência de agentes culturais e de defesa do patrimônio do Estado e da União.

Em seu discurso, depois de empossado à presidência da ASFEMAM, José Bispo de Morais em traje característico à função na frente de trabalho e na Administração da Ferrovia, defendeu a manutenção das linhas originais do Complexo Ferroviário, a recondução da ASFEMAM ao antigo prédio, bem como ‘antes de morrer a volta dos trens sob os trilhos até Guajará-Mirim’.

Na fala do Vice-Pesidente George Telles (O Carioca), o público foi informado sobre o porquê do processo histórico de reconstrução da Ferrovia em seu trajeto original não teria avançado por sucessivas gestões. Ele sublinhou a importância dada ao projeto de revitalizar ferrovias de todo o País…

Com história materializada por longos 70 anos, fruto do amor e abnegação dedicados à luta pela conservação e preservação do Complexo Ferroviário e instalações sob os trilhos de Porto Velho e da Vila do Abunã à Guajará-Mirim, José Bispo, 86 anos, ao empossar os novos dirigentes da entidade, foi confortado pelo presidente da Funcultural sob a promessa de o ‘prefeito vai botar o trem pra andar’, completou Ocampo Fernandes.