Dados referentes a 2016, divulgados agora pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, dão conta de que a população brasileira, comparando-se com 2015, teve um milhão de pessoas que entraram na faixa etária de 60 anos ou mais. Ainda com referência aos dados de 2015 esse envelhecimento representa 14,4% dos 205,5 milhões da população nacional. Em 2012, quando começou a série estatística da pesquisa, essa faixa etária respondia por 12,8% da população. Em quatro anos, são 4 milhões a mais na faixa de 60 anos ou mais, aumento de 16%. É como se todos os habitantes do Espírito Santo passassem a essa faixa.

Apesar dos avanços nas últimas décadas, milhões de brasileiros ainda vivem em situação precária dentro de suas próprias casas. O país tinha 20,6 milhões de domicílios sem rede de esgoto em 2016, quase 6 milhões de casas sem coleta de lixo e aproximadamente 2 milhões de residências sem água encanada.

A mesma pesquisa mostrou que entre 2012 e 2016, o número de brasileiros que se autodeclaram pretos aumentou 14,9% no país. Neste período, também cresceu a quantidade dos que se consideram pardos, enquanto diminuiu o percentual de brancos na população.

Segundo a pesquisa, em 2012, quando a população do país era estimada em 198,7 milhões de pessoas, os brancos eram maioria (46,6%), os pardos representavam 45,3% do total, e os pretos, 7,4%.Já em 2016, a população saltou para 205,5 milhões de habitantes (aumento de 3,4%), e os brancos deixaram de ser maioria, representando 44,2% (queda de 1,8%). Os pardos passaram a representar a maior parte da população (46,7%), aumento de 6,6%, e os pretos são agora 8,2% do total de brasileiros.
Para o IBGE, o crescimento da população negra se deve ao aumento da fecundidade entre essas pessoas e dos entrevistados que passaram a se reconhecer nessa cor.

Fonte: PrevTotal