Texto de Luis Fernando Salles

A Folha de S.Paulo publicou reportagem em seu site, na última terça-feira, (26), sobre a gigante ferroviária chinesa, China Railway Construction Corporation,  que estuda liderar um consórcio para construir a FIOL (Ferrovia de Integração Oeste-Leste) e integrá-la ao porto de Ilhéus, na Bahia.

Com esse projeto, os chineses têm a intenção de escoar a soja que é o segundo principal produto que eles importam no país (depois do minério de ferro) do Centro-Oeste até o porto baiano.

Além disso, desejam criar alternativas ao canal do Panamá, que atualmente é controlado pelos americanos e serve como passagem para quase todas as mercadorias que atravessam o oceano pacífico para o atlântico.

A Fiol teria cerca de 1.500 quilômetros e cruzaria com a FNS (Ferrovia Norte-Sul).

Atualmente, os grãos vindos da região central são transportados de caminhão até o porto de Santos ou até um entroncamento da Ferrovia Norte-Sul rumo ao porto de Itaqui, no Maranhão. No entanto, existem dificuldades para se chegar ao porto do Nordeste, devido a um trecho controlado pela mineradora Vale.

O plano dos chineses ainda inclui a criação de outro braço ferroviário, a partir da Ferrovia Norte-Sul, que seguiria de Campinorte (GO) até Lucas do Rio Verde (MT) e, de lá, até Porto Velho (RO). Essa linha iria até o Peru, para um porto do Oceano Pacífico.

O projeto foi apresentado ao governo brasileiro na viagem do presidente Michel Temer à China, no fim de agosto. O Governo da Bahia já contratou a consultoria Accenture para desenvolver o projeto.

Veja a matéria da Folha de S.Paulo na íntegra, clicando no link abaixo:

China quer construir ferrovia do Brasil