Comentários de Fernando Abelha

Para nossa alegria o Brasil recupera sozinho à noite, enquabto os políticos dormem, o que os governantes aniquilam durante o dia na gestão da economia do País. Não importa o Estado da Federação ou o partido político a que pertençam os administradores da coisa pública. A matéria a baixo é uma triste constatação do descalabro que nos atinge.

O trem antes dos trilhos

A construção da linha 5-lilás do metrô de São Paulo reúne os principais problemas que acometem as obras públicas no Brasil: atraso no cronograma, mau planejamento, orçamento estourado e indícios de irregularidades.

O Ministério Público denunciou, recentemente,  nove gestores e ex-dirigentes do Metrô sob suspeita de improbidade administrativa pela compra de 26 trens adquiridos em 2011, mas até hoje não utilizados.

A maior parte desse lote foi entregue em 2013 e, desde então, permanece encostada em pátios do Metrô e num armazém da empresa fabricante, expostos a intempéries e à inevitável deterioração provocada pelo tempo.

Tudo porque o trecho que receberá os novos trens, a confiar na previsão do governo paulista, só deve ser inaugurado no segundo semestre do ano que vem —três anos após o prazo inicial.

Em junho, o Tribunal de Contas do Estado já havia aberto uma investigação sobre 184 alterações nos contratos originais dessa linha, que fizeram o custo da ampliação aumentar 32,3%, passando de R$ 3,4 bilhões para R$ 4,5 bilhões.

Tais problemas não são os primeiros em torno dessa obra. Em agosto de 2010, a Folha de São Paulo antecipou em seis meses o resultado da licitação de dois lotes —um caso que, seis anos depois, ainda tramita na Justiça.

Os descalabros verificados na linha 5-lilás, lamentavelmente, estão longe de ser exceção. Há muito o governo paulista frustra a população da capital com os constantes atrasos e escândalos de corrupção ligados à expansão do metrô.

Tome-se o exemplo do monotrilho, que deveria facilitar a locomoção dos moradores das zonas sul e leste. A linha 17-ouro havia sido prometida para a Copa do Mundo de 2014, mas só deve entrar em pleno funcionamento por volta do início de 2018.

Também atrasado, o monotrilho da linha 15-prata será repassado à iniciativa privada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), sob a alegação de dificuldades financeiras.

A transferência, contudo, não representa garantia de celeridade. A linha 4-amarela, a primeira sob o modelo PPP (parceria público-privada), começou a ser construída em 2004, mas só deve ficar completamente pronta em 2018.

Problemas do gênero, repita-se, são encontradiços em todas as administrações do país. Mas espera-se de Alckmin, sempre um potencial candidato à Presidência, respostas mais concretas ao desafio do investimento público.

Fonte: Folha de São Paulo